O conformismo e a revolta.


Por um momento, eu pensei que tudo fosse ser um mar-de-rosas. Juro que sim. Hoje vejo que não, vejo que nada é bem assim. Ou melhor, tudo o que vem para o bem, requer um pouco de suor, esforço, boa-vontade. Sinceramente, nem calculava que isso pudesse acontecer, mas não imaginei que se acontecesse, fosse ser tão prejudicial. Estou de castigo. Meu medo é que TUUDO aquilo que já aconteceu, se vá pelo ralo.





Eu espero, com todas as minhas forças, que não.
Isso era pra ficar na minha cabeça, mas resolvi escrever.
Sentado, não vou ficar. Não mesmo.
Se for pra ser assim, vou esperar... vivendo.

Dr. Pepper.

Dr. Pepper.

Hipocrisia.

Existe uma espécie de código, com o qual nós somos obrigados a viver, depois que alcançamos a maturidade. A hipocrisia é o carro-chefe, diga-se de passagem. A hipocrisia, em suas variadas formas, é o que nós, quase todos os dias temos que usar, e a causa é a conveniência. Nessa lacuna do cotidiano, a nossa luta é conseguir ficar no limite da linha tênue que há entre a honestidade/sinceridade, e a conveniência. Ser honesto/sincero demais, quase nunca é o que convém.
É conveniente dizer à sua chefe que você achou o novo corte de cabelo dela pavoroso? Pois é, por zelo ao seu emprego, você não diz. É conveniente dizer a um policial, que o documento atrasado do seu carro não é nada perto do tráfico que, nem ele, e nem o batalhão dele, e nem a polícia inteira conseguem combater? Pois é, por zelo ao seu meio de transporte, você não diz. Esses são os casos extremos, onde há consequências.
Há também o caso onde é preservada a harmonia de um relacionamento, seja ele entre um casal, ou numa amizade mesmo. Aí você vai dizer: 'aaah não, eu digo tudo pro meu camarada, com a gente é sinceridade total, não tem essa...' Mas quando se evita dizer a verdade, nesses casos, realmente há motivos maiores. Tudo por conveniência.
Vivemos num mundo onde ser hipócrita se encaixa no que é chamado de 'politicamente correto'. Sua mulher te trai e você não sabe. Seu funcionário te rouba, e você não sabe. A grosso modo, vivemos num mundo onde temos que ser malandros o bastante pra não 'tomarmos volta'. Quando, nos primórdios, alguém imaginou que o mundo viraria isso?

Não quero passar imagem de bom moço, até porque, também tenho que me render à hipocrisia de vez em quando, assim como todos nós. Mas fica registrado aqui o meu protesto. Tá explicado o que encanta tanto nos bebês e crianças pelo mundo. É a pureza de quem não deve nada a ninguém e não tem medo de magoar, é pureza de quem só tem verdades a dizer.

Ao Amor.

uma infinidade de coisas, nos leva, nos remete. uma raridade nos dias de hoje. ainda existe, mas a porcentagem que dissimula cresce a cada pessoa que nasce. há o amor paternal, maternal, fraternal, que se tem por irmãos, primos, pais, familiares em geral, e amigos.

e há o amor carnal, o desejo, a admiração, o respeito, a amizade e mais todos aqueles ingredientes que compõem esse infinito que o amor representa. enfim, o amor é a ferramenta com a qual nosso convívio ganharia em qualidade, nossa história ganharia em ternura, nossa vida ganharia em felicidade.

esses sim, são amores, genuínos, originais de fábrica.
o resto, meu amigo, é conversa fiada.

não se assuste, não se oprima, não se rebele.
você saberá muito bem quando for o amor que estiver batendo à sua porta.


boa noite e,

ame sem limites.

Não adianta.

a minha verdade há de se manter firme, forte, sem pressa, assim, do jeito que tá.
a minha verdade tá guardada comigo, e é a única coisa que ninguém pode me tomar.



acredito mais em mim, do que em vocês, seus pela-sacos. esse é o problema.

tô com febre, vou pegar um edredom pra mim.
tchau.

Como termina?

e de repente, a gente começa a discordar, e todo aquele volume cai sobre minhas costas, e ao invés de chão, me vejo com os pés sobre uma corda bamba.

depois da corda, é infinito.

A gangorra da vida.

a vida é uma eterna roda gigante. melhor. na vida existe uma roda gigante pra cada assunto. e elas andam que nem o horário das capitais do mundo. é como olhar a hora de todas as capitais. relógios com a hora de vários lugares do mundo, cada um dizendo um horário. num lugar tá sol, calor, dia lindo. no outro, as pessoas dormem pra mais um dia que vem. e a vida, meu amigo, é exatamente assim. de uma hora pra outra, o tempo fecha. você tava lá em cima na roda gigante, alguns minutos e você tá perto do chão.
o que fazer quando o tempo fecha geral?
o céu de cara feia pra você, tudo cinza.
como se comportar? joga tudo pro alto? entrega os pontos? bate desespero, uma vibe péssima toma conta, a famosa bad trip. é. é ela mesma.

nessas horas, o melhor é deixar a poeira baixar. [ninguém faz nada certo de cabeça quente]
esfria, toma um copo d'água. senta. [...] pensa. age de acordo com os seus valores, faça o que mandarem seus conceitos, raciocine. use a sua cabeça, pense sempre no melhor, na melhor forma de resolver, que caminho tomar, se reerguer é a meta. e positividade sempre.

no começo, parece que não vai adiantar de nada. só tem que isso é uma caminhada onde os frutos são colhidos à longo prazo, parece que na hora não surte efeito. e, realmente, não vai. mas é certo, você é retribuído. coisa certa. é batata, como costuma dizer minha querida avó.
enquanto a medicina não se mete nisso também, e cria algo para agilizar o processo, vá caminhando devagar, pela sombra. coma pelas beiradas.

o melhor é quando você colhe os frutos da sua árvore, se senta debaixo dela pra aproveitar a sombra, e chega a hora do almoço. no rio de janeiro.

nessa hora, é só aproveitar.
e ela chega, pode esperar.


vou ali, tirar um cochilo.
volto logo, abraços.

AB+

há algo que me faz ser mais, e ir além nos meus pensamentos, buscar alguém que não existe ainda, mas que pode existir. alguém melhor, mais humano e generoso, há algo que me faz ir atrás desse cara. alguma coisa me move em direção ao futuro, onde me vejo bem-sucedido em minhas escolhas, patriarca de uma família, algo me faz lembrar disso todos os dias. há algo que me faz olhar o copo metade cheio, existe alguma coisa que me faz olhar além do céu e do sol, que me faz enxergar um mundo de possibilidades, algo que como uma lente deixa mais nítido o que é problema, o que é solução.

tem alguma coisa que me faz sorrir sem motivo no meio do dia, que me faz lembrar que o fim de semana tá aí, algo que me faz entrar numa bolha quando está presente, e o mundo vira apenas um pano de fundo.

há alguém que me faz sentir o mundo parar de girar.

Semana Santa.

acho que muito sangue frio, um pouco de jogo de cintura, segurança e a auto-estima altíssima.




mais ou menos por aí.

Tédio, velho amigo.

sente um vazio, muda tudo de lugar, olha as coisas como se não fossem suas. marca um ponto, desce uma escada, compra uma cerveja. nada muda. o único que sente isso é você, se elas souberem de tudo, você já era. você sabe disso também. busca incluir no seu cardápio coisas menos pesadas, não adianta. hoje, a sua alma não pertence a você. hoje é um daqueles dias em que você gostaria que, simplesmente, o mundo não existisse, e só uma pessoa poderia lhe dar isso. mas ela não está.
não faz mal, você levanta a cabeça e dissimula, finge estar tudo ótimo, toma um banho, se perfuma e sai, supostamente com destino, na verdade só pra perambular.
você voltou, as coisas estão no mesmo lugar, a hora não é mais a mesma, mas o tempo demora a passar. você senta, escreve e expõe todos os seus sentimentos, como se não tivesse nada a perder, não é coisa muito boa. ainda resta metade do dia, você resolve se jogar no sofá e esperar passar esse tormento, quando minutos após chega o tédio e, finalmente, você se alegra e vai matar a saudade.

velho amigo tédio, depois de algum tempo, a me acompanhar novamente.

uma semana e eu já estou entediado dele, receber uma visita é legal, mas ele é um cara muito difícil de se conviver.

'Pega e faz.'

a gente não sabe o que vai acontecer, a gente não tem a mínima noção. quando acha que sim, vem a roda viva e diz que não. e vice-versa. depois de muito tempo, a gente aprende a jogar, vai aprendendo ao longo da jornada, vai aprendendo a viver, com o perdão do plágio, vivendo e aprendendo a jogar.
melhor deixar rolar, viver sem pensar demais, o que o mundo quer de você é toda a sua espontaneidade, 'faça o que der na telha', sem pensar duas vezes, é sempre mais gostoso.
claro que, como tudo na vida, há de haver sua moderação para que dê certo. mas lembre-se sempre de ser você mesmo, não importa o que aconteça, ou quem estiver a te assistir, faça o que você achar melhor, e deixe o julgamento pra depois, afinal, ninguém NUNCA vai conseguir agradar a todos.

outra coisa que eu aprendi também é que os clichês, às vezes, também tem razão.

Menina Bordada.

menina bonita bordada de flor
menina bonita bordada de flor
eu vi primeiro
eu vi primeiro
eu vi primeiro

todo encanto dessa moça
todo encanto dessa moça

vai ver era só dizer a ela assim, oi
moça por favor,
cuida bem de mim.

-

Marcelo Camelo.

Inspiração só ao natural.

eu tento, tento, mas não consigo.
eu tento melhorar meu desempenho, tento ser mais e mais, mas, infelizmente, não consigo.
é o tipo de coisa que só depois de um tempo.
queria ter nascido, já, com essa capacidade de, realmente, não ligar pro que os outros pensam. isso é quase que um dom, cara. eu venho melhorando, bem pouco, a cada dia, mas ainda é pouco pra sair, botar a cara assim, sei que ainda vou bater muita cabeça.

mas tem nada não, eu vou aqui, devagarinho, com meu passo de formiga, e, não importa o tempo que levar, eu sei que um dia eu chego, um dia eu ainda faço parte da elite. pode escrever.

Ficção científica.

a tendência, na vida, é a tecnologia ter influência em quase tudo, e a evolução da espécie ditar o ritmo no qual devemos andar. o saudosista percebe isso e se coloca exatamente em posição totalmente contrária, e começa a discordar, que nem uma criança que faz birra.
por melhor que seja, por maior que seja, por mais bonito, por mais eficiente, 'no nosso tempo, era melhor.'

os mestres da nostalgia gritam: 'ahh, a música de antigamente, o futebol de antigamente!'

se hoje tem muita música merda, é porque se abriu um leque de opções dentro da música, onde quem não podia participar, hoje em dia participa, isso porque sabe operar um computador, e acaba virando dj. mesmo sem ter o mínimo dom. ou pior.
aprende meia dúzia de acordes numa guitarra irada, corta uma franja e faz chapinha nela, usa all star, tem cintura 38 e compra uma calça 22.
pronto. a receita pro sucesso.

apesar de, hoje em dia, haver muita música boa ainda. e não falo da música do tempo da brilhantina.

se o futebol de hoje em dia, tá feio, nivelado por baixo, é porque a tecnologia, especificamente no preparo físico, deu oportunidade a quem não alcançava os craques na habilidade.
e hoje, esses pernas-de-pau, correm os noventa minutos bufando no cangote dos caras, e não os deixam praticar o futebol arte. apenas por isso, e não por ter caído o número de natalidade de craques no país do futebol.

enfim, muita coisa mudou pra pior, concordamos.

agora só nos resta esperar pelo tão esperado dia em que, vocês da velha-guarda, assumirão que poder falar, através da tão celebrada internet, com o seu filho, - quiçá vê-lo! que marvelous. - [ele que tinha decidido fazer uma viagem pro lichtenstein],
na hora que quiser, é o que há de melhor.

aaah, liguem suas televisões, joguem fora suas vitrolas.
o século XXI tá aí, comprem iPods.
usem e abusem da internet, ela é nossa.

haha, ;*
 

© Copyright O Céu. . All Rights Reserved.

Designed by TemplateWorld and sponsored by SmashingMagazine

Blogger Template created by Deluxe Templates