Tédio, velho amigo.

sente um vazio, muda tudo de lugar, olha as coisas como se não fossem suas. marca um ponto, desce uma escada, compra uma cerveja. nada muda. o único que sente isso é você, se elas souberem de tudo, você já era. você sabe disso também. busca incluir no seu cardápio coisas menos pesadas, não adianta. hoje, a sua alma não pertence a você. hoje é um daqueles dias em que você gostaria que, simplesmente, o mundo não existisse, e só uma pessoa poderia lhe dar isso. mas ela não está.
não faz mal, você levanta a cabeça e dissimula, finge estar tudo ótimo, toma um banho, se perfuma e sai, supostamente com destino, na verdade só pra perambular.
você voltou, as coisas estão no mesmo lugar, a hora não é mais a mesma, mas o tempo demora a passar. você senta, escreve e expõe todos os seus sentimentos, como se não tivesse nada a perder, não é coisa muito boa. ainda resta metade do dia, você resolve se jogar no sofá e esperar passar esse tormento, quando minutos após chega o tédio e, finalmente, você se alegra e vai matar a saudade.

velho amigo tédio, depois de algum tempo, a me acompanhar novamente.

uma semana e eu já estou entediado dele, receber uma visita é legal, mas ele é um cara muito difícil de se conviver.
 

© Copyright O Céu. . All Rights Reserved.

Designed by TemplateWorld and sponsored by SmashingMagazine

Blogger Template created by Deluxe Templates